Geraldo Magela de Oliveira

Contato

PEDRAS VIVAS no Altar de D’us - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

PEDRAS VIVAS no Altar de D’us

Olá,

Na história de Jacó em um dado momento de sua via, ele colocou doze pedras sob sua cabeça como travesseiro. Não por acaso o mesmo viria a ter doze filhos que se tornariam as doze tribos de Israel. Crêem os místicos judeus que estas doze pedras se fundiram em uma só, assim como as cinco pedras que David colocou em seu alforge para matar o gigante Golias. O Rabino Ginsburg revela que essa fusão representa que o Nosso D'us é um só. E se levarmos em conta que a palavra “pedra” em hebraico é even, mostrará um acrônimo para, “pai filho”. Ou seja cada pedra é a união de pai e filho. Portanto, se gostamos de ser chamados de pedras vivas, devemos crer então que somos a fusão do Pai e do filho correto? Mas, como temos andado em trevas pessoais nos últimos tempos, de pedras vivas o povo de D'us tem muito pouco ou mesmo nada dada a nossa capacidade de menosprezar nossos irmãos, nossa incapacidade de perdoar e principalmente nossa frieza de coração. Notei isso por há algum tempo atrás aquando uma pseudo-crise de crise de desabastecimento. Crentes em filas de postos de gasolina, fazendo estoques absurdos de comida em casa como se o mundo fosse acabar naqueles dias. Pronto, e se acabasse? Não somos chamados? Não somos servos bons e fieis? E o pior. Não cremos no arrebatamento? Nestes dias pudemos ver o pior dos seres humanos e principalmente o pior daqueles que se dizem evangélicos. Um critica nas redes sociais os movimentos dizendo que seus caminhões deveriam ser tomados. Outro incita a rebeldia contra o governo. Salvo meu engano, na Palavra de D'us a qual creio ser verdadeira, nos ensina a respeitar as autoridades por nós constituídas e portanto, não devemos fomentar a rebeldia contra esta autoridade. O que mostramos nestes dias é que estamos muito aquém daquilo que D'us planejou para cada um de nós e para o qual nos escolheu. ao invés de confiar em D'us e na Sua Magnífica Palavra, confiamos no que diziam as redes sociais, críamos no que os telejornais diziam e assim nos afastamos mais e mais do ideal de D'us. Creio eu que este tempo serviu para o aprimoramento de muitos, inclusive o meu. Pois pude enxergar algo novo nas pessoas e não desejar aquilo para mim. Pude ver que ainda existem pessoas verdadeiramente comprometidas com a obra do Senhor e não somente consigo mesmo. E assim ver que apesar de tudo, ainda podemos deixar um bom legado para nossa descendência. Isso se mudarmos nosso comportamento e crermos que existe alguém que apesar de todos os nossos erros, ainda confia em nós para fazer este mundo melhor sendo verdadeiramente aquela pedra viva fundida pela maravilhosa presença do Pai e do Filho em nossas vidas.

Na certeza de que mais importa que eu diminua e que Ele cresça.