Geraldo Magela de Oliveira

Contato

O nosso Meio Ambiente sofre. - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

O nosso Meio Ambiente sofre.

Olá,

Há alguns dias atrás um grande amigo enviou em algumas fotos para um grupo de mensagens do qual participo. Estas fotos me deixaram em estado de choque dada a violência das mesmas. Não se tratava de crimes contra o ser humano e não havia sangue derramado nas mesmas. Porém se tratava de peixes e outros animais marinhos com deformações, cores alteradas, alguns presos com garrafas plasticas, redes de arrasto em pedaços, lulas e outros seres dentro de sacolas e uma infinidade de horrores que nós mesmos por causa do descaso, ignorância, preguiça e infelizmente a falta de educação e respeito tem nos levado à esta situação degradante. Mas, não bastasse isto, uma semana depois as chuvas vieram com um pouco mais de intensidade e cidades com Belo Horizonte na qual resido, Rio de Janeiro e São Paulo foram vítimas da violência das enxurradas e inundações que já são tragédias anunciadas. Infelizmente nestes três casos houve mortes de pessoas levadas pelas inundações. Nesta hora, repórteres de televisão e rádio com aqueles comentários que lhes são tão peculiares teimam em colocar a culpa nos governantes como se estes fossem os únicos culpados desta situação. São isentos de culpa? Com certeza não. Poderiam fazer algo para impedir? Com certeza. Mas se levarmos em conta o tempo em que isto tem acontecido, os atuais governantes são os menores culpados. Digo isto, porque os maiores culpados somos nós mesmos. Outro dia estava em meu carro com minhas filhas e parados em um semáforo o veículo da frente teve a janela aberta e foram jogados para fora uma lata de cerveja vazia e uma garrafa d'água. Minhas filhas ficaram revoltadas ao ver aquela cena e eu sem saber o que dizer. Elas me disseram que isso não deveria ser feito pois aquele lixo deveria ser jogado na lixeira e não na rua. Tomei a decisão de escrever sobre isso para um alerta. Há muito venho falando de que legado vamos deixar para nossos filhos e descendentes. Mas, hoje principalmente, venho perguntar que espécie de mundo nós vamos deixar ou se é que vamos deixar algum mundo. Ao ver aquelas imagens dos animais maltratados e as cenas depois das inundações infelizmente me lembrei de alguns filmes com cenários apocalípticos onde nos quais não havia água e só se via destruição por todas as partes. Porém como em quase tudo, há sempre uma nova chance para a humanidade. Ainda dá tempo de revermos nossas atitudes e voltarmos a um começo onde o respeito ao ambiente e à humanidade é destaque de primeira página e não uma simples nota de rodapé. Fomos escolhidos para viver nesta terra porque somos um povo capaz de se transformar. Então, vamos nos transformar em algo bom, deixando a sujeira e a falta de respeito onde deve ficar. Na lixeira. Vale lembrar que nós seres humanos temos a capacidade única de nos reinventar a todo o momento e uma metamorfose em nossas vidas é necessária. E assim agindo, com certeza deixaremos um lugar melhor para nossos filhos e descendentes. Com esta atitude, os mesmos terão orgulho em dizer que são nossos descendentes.

Porque acredito na humanidade e em nossa capacidade de metamorfose.