Geraldo Magela de Oliveira

Contato

Infelicidade ou falta de amor - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

Infelicidade ou falta de amor

Olá,

Cada dia mais estou a sentir algo de ruim nas pessoas com as quais convivo. Não sei se é só comigo. Pode até ser. Mas infelizmente, tenho notado que cada vez mais as pessoas estão tristes e infelizes. Isso por si somente, não teria tanto problema. Porém, o pior é que tentam a todo custo contaminar o ambiente em que vivem ou trabalham. Queria eu dizer que isto é somente no meio secular, mas infelizmente este "comportamento" se assim posso chama-lo também está presente e com grande força no meio Cristão. Estes "infelizes" de plantão, teimam em tentar semear todo o seu desgosto pessoal, como se jogassem farinha no ventilador para fazer o maior estrago possível. Há poucos dias tive o "privilegio" de conversar a respeito disso com uma destas pessoas. Em um primeiro momento ela negou tudo isto, mas como insisti um pouco e falei com certo carinho, no fim ela me contou um pouco do porquê de sua infelicidade. É uma pessoa que tem muitos bens, tem boa escolaridade, família estruturada e uma fonte de renda alta e confiável. Mas, apesar de ter tido uma formação Cristã, abandonou tudo pela busca incessante de uma condição financeira melhor e com isto vieram as "amizades" temporárias, os vícios e em consequência do afastamento da Casa de D'us, sobreveio uma vida infeliz. Ao tentar chama-lo de volta aos caminhos do Pai, fui surpreendido com a justificativa de que a Igreja não o queria de volta, pois foi também abandonado pelos irmãos na fé. Em suma, não digo que todos tem o mesmo problema. Alguns podem ter transtornos psicológicos, outros são infelizes por natureza, alguns gostam simplesmente de o ser. Mas, uma grande maioria se encontra nesta situação pela nossa falta de amor e companheirismo. Se alguém se afasta ou mesmo cai em pecado, logo atiramos uma centena de pedras e não procuramos leva-los ao arrependimento. Se por acaso se afastam da igreja, procuramos outro para trazer e suprir a vaga daquele que saiu. Vivemos um tempo de frieza espiritual, de falta de amor e compaixão. Porém como quase tudo, isto tem remédio. Basta que nos coloquemos em nosso lugar de servos e deixemos que nosso orgulho e soberba se vão por terra. Assim, teremos sensibilidade para enxergar o que se passa com nosso próximo e com certeza os ajudaremos a reencontrar a verdade e o Amor do Pai. Hoje é dia de mudança.

Porque quero permanecer servo e cada dia ser mais humilde.