Geraldo Magela de Oliveira

Contato

Glamorização da DIVERSIDADE - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

Glamorização da DIVERSIDADE

Olá,

Estava aqui pensando nesta manhã e cheguei à conclusão de que a cada camada de maquiagem sobre mentira, ela ganha contornos de verdade. Infelizmente isto está acontecendo em grande escala nos dias de hoje. Estamos vivendo um tempo de incertezas quanto aos valores que a nós foram ensinados por nossos avós e também em relação àquilo que vamos deixar para nossos filhos. Honestidade, Integridade, Lealdade, Amor, Caridade, Paciência, Respeito, Admiração, Educação, Dignidade e muitos outros, são valores que ao longo vão se perdendo por causa de nossa incredulidade para com os outros e principalmente por causa de nossa preguiça em manter algo que é trabalhoso. Ser alguém que faz a diferença e é lembrado pelas suas qualidades, é algo inalcançável para quem tem medo e preguiça de se impor. E por falar em imposição, quero falar de algo que a mídia tem tentado impor em nosso meio a todo o momento. Você acorda e pela manhã uma notícia sobre uma marcha. As publicidades a cada dia levam mais a fundo um cunho para a diversidade. Casamentos são planejados e veiculados em mídias sociais de forma normal. Igrejas inclusivas que aceitam com naturalidade. Adoções facilitadas. Construção de um novo padrão de igualdade nas escolas. Tudo isso por causa de uma sexualidade diversa a da grande maioria e que teima em se impor na sociedade como se fosse uma forma natural de ser. Tenho a certeza de que serei muito criticado ao escrever sobre isso. Porém, não posso me furtar em dizer aquilo que sinto. Sou heterossexual, Cristão, Pai de família e um cidadão que também deseja que seus valores e direitos sejam respeitados. Minhas filhas não são obrigadas a cada momento em que assistem à televisão, a ver um beijo homossexual. Não tenho nada contra as opções sexuais dispares a minha. Mas, uma glamorização excessiva deste gênero está nos sendo imposta. Sempre aprendi que o meu direito termina onde começa o do outro. Então, creio que o direito de outrem também termina quando começa o meu. Não é ser arcaico ou homofóbico como alguns irão me chamar. É simplesmente uma questão de boa convivência. Não podemos nos tornar reféns de uma cultura. Cultura é o resultado de uma diversidade que se respeita e bem convive. É o amplo conhecimento e respeito da individualidade que está sendo posto em cheque. Não importa a crença religiosa, política ou opção sexual. Todos devem ser respeitados pelo que são. E assim peço para que também ajam aqueles que querem ser respeitados. A imposição nunca foi e nunca será o melhor caminho para que nossos direitos e valores sejam assimilados. Digo que se assim continuar, em breve as minorias serão ignoradas e assim então se sentirão verdadeiramente marginalizadas. Não por causa do que são. Mas, por causa daquilo que tentaram fazer aos outros.

Na certeza de um mundo mais compreensivo e respeitoso onde poderemos conviver em igualdade.