Geraldo Magela de Oliveira

Contato

Frutos da Memória - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

Frutos da Memória

Olá,

Já paraste para pensar o quanto temos problema de memória? Muitas das vezes no dia seguinte, não nos lembramos do que almoçamos, jantamos e até mesmo, com que falamos. Nossa memória é seletiva e tende a nos lembrar de muitas vezes somente de coisas boas que nos aconteceram e infelizmente de coisas ruins que nos fizeram passar. E o que fazemos a outrem? Isto não deve ser lembrado? Nós seres humanos ingratos em sua essência, tendemos a nos esquecer de toda a bondade que fizeram por nós. E principalmente o que fizemos e que prejudicou nosso semelhante. Isso é do homem e temos a obrigação de mudar. Talvez tomando um pouco de fosfato para aliviar esta dificuldade em nos lembrar das coisas, ou até mesmo através de exercícios que nos farão transformar nossas memórias em uma constante lembrança. Porém a pior consequência da falta de memória é o esquecimento daquilo que D'us fez por nós. Tanto por causa da memória fraca, quanto pela nossa ingratidão e ganância em sempre querer mais. Nunca estamos satisfeitos com aquilo que O Senhor tem preparado para nós. "Quem é rico? Aquele que se satisfaz com o que possui." Prov. Talmud. Então, se nós queremos a gratidão e o reconhecimento das pessoas por aquilo que fazemos, devemos em primeiro lugar, lembrar que D'us faz tudo por nossa causa, inclusive dar o Único Filho em sacrifício pela nossa salvação e não nos pediu nada em troca. Espero que nossa memória seja longa e permanente como é o Amor de D'us por nossas vidas. É tempo de deixar de sermos egoístas e sovinas e passemos a ver o mundo e as pessoas com mais amor e gratidão, para que D'us tenha orgulho em nos ter como servos D'Ele. Não podemos dizer que somos servos se não temos a capacidade de servir. Não podemos dizer que amamos o nosso irmão se não somos gratos por aquilo que D’us e mesmo o irmão já fez por nós. Gratidão é fruto de memória e esta deve ser cultivada em todo o tempo.

Pela alegria de nunca vamos nos esquecer do que e para que fomos feitos.