Geraldo Magela de Oliveira

Contato

A inclusão da SANTIDADE - Crônicas do Oliver

Crônicas do Oliver

A inclusão da SANTIDADE

Olá,

Nunca se falou tanto como se tem falado na atualidade sobre a Santidade nas igrejas. Há em certos locais, debates muitas vezes bastante acalorados por causa do nível de Santidade em que os crentes se encontram. Isso se a santidade tivesse realmente níveis a serem medidos. No entanto, apesar de não poder ser mensurada a cada dia mais as pessoas que frequentam igrejas das mais variadas denominações, são discriminadas por não se enquadrarem em certos "padrões" de Santidade. se levarmos em conta que em tudo o que D'us criou existe uma certa dualidade, como alguns têm a prepotência de chamar outro de menos "santo" e além de tudo o mais, o excluir de algumas atividades por achar que o mesmo não é merecedor de conviver nos "antros" da Santidade pressuposta. Todos nós seres humanos possuímos dois lados. Um lado voltado para a Santidade e o outro lado. Estes lados são opostos e intimamente ligados e alinhados tanto na Santidade como do outro lado. E, no entanto, não há uma grande linha de demarcação entre elas. Tudo o que há de um lado existe do outro. Ou seja, todos nós somos tão capazes de fazer o bem quanto não fazer e em alguns casos fazer o extremo contrário ao bem. Se somos capazes de tudo, como podemos medir a Santidade e também como saber se somos santos? Esta pergunta somente é respondida em nosso íntimo quando nos sentimos verdadeiramente incluídos na Presença Magnífica de D'us. E ao sermos incluídos nos sentimos puros, verdadeiros, íntimos de D'us e também santos. Mas, para ser verdadeiramente Santo, devemos cumprir alguns requisitos básicos. Em Matheus 12:29 Jesus responde assim ao ser perguntado sobre mandamentos: E Jesus respondeu-lhe: O primeiro de todos os mandamentos é: Ouve, Israel, o Senhor nosso Deus é o único Senhor. Amarás, pois, ao Senhor teu Deus de todo o teu coração, e de toda a tua alma, e de todo o teu entendimento, e de todas as tuas forças; este é o primeiro mandamento. E o segundo, semelhante a este, é: Amarás o teu próximo como a ti mesmo. Não há outro mandamento maior do que estes. Então, para sermos santos temos que cumprir os preceitos que Jesus nos ensinou. Correto? Como então tratamos mal aqueles que conosco convivem? Como posso sentar no alto do meu trono de Santidade vendo meu semelhante passar fome e necessidade? Como então dizer que a Santidade é inerente a mim, se olho para os que não são "santos" conforme o meu padrão com desdém? Ora se somos santos cumprimos verdadeiramente o amar o nosso próximo como a nós mesmos. A não ser claro que eu não me ame. Então a conversa será outra. Devemos nos lembrar de que somos seres humanos em plena evolução e que assim sendo, seremos hoje melhores do que fomos ontem e bem piores hoje do que seremos amanhã. Esta é a premissa de D'us para cada um de nós. Somos Santos? Ainda seremos se assim desejarmos de pleno coração o ser.

Na certeza de que A Vontade de D'us se cumprirá em minha vida no momento em que eu O servir de inteira vontade e da plenitude de meu coração.

Aguardando a volta da Arca